fbpx
Categoria: Justiça, Política

Moro pede que empresários deem oportunidade de trabalho a presos

Da Redação SPRIO+ Publicado em 6/05/2019, às 16:50 • Atualizado em 6/05/19, às 16:45




Alex Rodrigues/Agência Brasil

Moro pede que empresários deem oportunidade de trabalho a presos

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, defendeu, hoje (6), que as empresas brasileiras contratem pessoas que cumprem pena ou que deixaram o sistema prisional. Para o ministro, é importante que os empresários ofereçam oportunidades aos presos que buscam uma oportunidade de se reinserir na sociedade por meio do trabalho e do estudo.

“Temos que acreditar na ressocialização do preso. Este é um objetivo importante. Nunca podemos perder a fé e a esperança de que as pessoas podem se redimir. E uma das melhores maneiras é dar uma oportunidade para estas pessoas”, disse o ministro durante a cerimônia de entrega do Selo Resgata a 198 empresas de 15 estados. Juntas, estas empresas contratam 5.603 pessoas. No primeiro ciclo de certificação das companhias, em 2017/2018, 112 instituições receberam o selo. A maioria delas, órgãos públicos. A expectativa do ministério é ampliar este número para mil empresas em 2020 e atrair mais empresas privadas.

Lançado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública no fim de 2017, o selo é uma estratégia federal de estímulo às empresas públicas e privadas, bem como a órgãos públicos e empreendimentos de economia solidária, para que contratem pessoas privadas de liberdade que estejam cumprindo penas alternativas ou que já tenham deixado o sistema prisional.

A contratação dos presos é feita por meio de convênios que as empresas habilitadas a apoiar o trabalho de ressocialização assinam com os governos dos estados onde atuam. A certificação da habilitação é a obtenção do próprio Selo Resgata. Para obtê-lo, a empresa tem que contar com entre 1% e 3% de presos no total de mão de obra contratada, mediante o que, recebem algumas vantagens, como redução das despesas trabalhistas.

Presente à cerimônia de habilitação de mais 198 empresas, o diretor-geral do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Fabiano Bordignon, lembrou que a Lei de Execução Penal prevê que os presos trabalhem, não podendo, em nenhuma circunstância, receber menos que 75% do salário-mínimo (R$ 998), não tendo algumas das garantias trabalhistas. Deste valor, um percentual pode ser descontado a título de custeio das unidades prisionais, como já acontece em Santa Catarina, apontado como um estado-modelo.

Para Bordignon, o maior benefício para os presos é a possibilidade de reduzir sua pena, já que, a cada três dias de trabalho, um dia é abatido da sentença a cumprir. “A Lei de Execução Penal diz que o preso condenado é obrigado a trabalhar. Claro que tratamos isto como um direito, já que a maioria dos detentos do Brasil quer trabalhar. A dificuldade é que dar trabalho para os presos dá trabalho. Então, precisamos criar estruturas nas unidades prisionais para que elas recebam parte deste trabalho”, comentou o diretor do Depen, admitindo que um dos desafios à iniciativa é o convencimento de mais empresas privadas.

“Temos que romper um certo preconceito. Também precisamos classificar melhor os presos para que as empresas saibam que podem recebê-los. A Lei de Execução Penal prevê as Comissões Técnicas de Classificação para fazer isso, mas, hoje, com as estruturas prisionais, a deficiência de servidores e de sistemas informatizados, isso é uma dificuldade”, pontuou o diretor-geral do Depen.

Microempresário do ramo da construção civil, José Geraldo Rosa Júnior era o responsável por um dos estabelecimentos que receberam o selo. Embora esteja afastado da direção da empresa, ele compareceu à cerimônia e garantiu que repetiria a experiência encerrada em 2018.

“Para nós, empresários, é uma maravilha; uma vantagem”, disse Júnior, revelando àAgência Brasil que os custos com a contratação de um apenado podem chegar a ser 65% inferiores aos de outro trabalhador. O que lhe permitiu, inclusive, vencer licitações para fornecer serviço a órgãos públicos. “Eu fiz um teste com alguns reeducandos e consegui êxito porque o meu valor [do serviço] era menor porque minha mão de obra era mais barata”, acrescentou o microempresário que chegou a ter sete apenados entre seus funcionários.

“Nunca tive problemas. Até porque, quando você dá uma oportunidade para eles, eles te vêm como um amigo e dão o seu melhor. Eles costumavam chegar antes do horário e, geralmente, eram os últimos a sair”, comentou o microempresário, explicando que o contrato que assinou com a Fundação de Amparo ao Trabalhador Preso (Funap), do Distrito Federal, previa que, caso houvesse algum problema, a entidade prestaria todo o auxílio necessário – o que nunca foi necessário.



A matéria continua após a publicidade
Publicidade

Publicidade
Últimas noticias
Destaque, Economia

Abono do PIS/Pasep começa a ser pago nesta quinta

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
O pagamento do abono salarial do Programa de Integração Social (PIS) e de Formação do Patrimônio …

3 horas atrás
Esporte

MP quer impedir repasses para as equipes profissionais de São José

Foto: Gustavo Torres/Assessoria São José Vôlei
O Ministério Público quer que a Prefeitura de São José dos Campos seja impedida de …

2 horas atrás
Economia

Falta de demanda aumenta a preocupação da indústria, aponta CNI

Foto: Arquivo/Agência Brasil
A falta de demanda interna voltou a ganhar importância entre os principais problemas enfrentados pela indústria ao longo …

14 horas atrás
Destaque, Economia

Governo bloqueia mais R$ 1,44 bilhão do Orçamento

Foto: Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
A revisão para baixo do crescimento da economia brasileira em 2019 fez a equipe econômica …

15 horas atrás
Esporte

Brasil encerra o Mundial de Rugby em 7º lugar

Foto: Claudio Vieira/PMSJC
O estádio Martins Pereira, em São José dos Campos, recebeu neste domingo (21) os jogos finais do Campeonato …

15 horas atrás
Cidades, Esporte

Corrida de Aniversário de São José reuniu mais de 3.000 atletas

Foto: Claudio Vieira/PMSJC
São José dos Campos completa 252 anos no próximo sábado (27), mas as comemorações já começaram e não …

16 horas atrás
Esporte

Pela Segunda Divisão do Paulista, São José enfrenta Flamengo de Guarulhos no Martins Pereira

Foto: Fabiane Fotografia Esportiva
Em jogo válido pela terceira rodada do grupo 12, do Campeonato Paulista da segunda divisão, o São …

18 horas atrás
Cidades, Destaque

Justiça determina interdição de passarela na Dutra em Aparecida

OVale

Foto: Google Maps
A Justiça determinou a interdição de uma passarela devido ao grande risco de desabamento na Rodovia Presidente Dutra, …

18 horas atrás
Esporte

Dois dias após vitória de Gabriel Medina, Sophia Medina vence etapa de surfe em Ubatuba

OVale

Foto: Munir El Hage/Divulgação
Dois dias depois da histórica vitória de Gabriel Medina no Mundial em J-Bay, na África do Sul, …

19 horas atrás
Cidades

Marinha emite alerta de fortes ventos no litoral

OVale

Foto: Divulgação
A Marinha do Brasil, por meio do Centro de Hidrografia da Marinha (CHM), fez alertas para fortes ventos quentes de …

19 horas atrás