fbpx
Categoria: Saúde

Risco de morte por febre amarela pode ser identificado mais cedo

É o que revela pesquisa feita pela Universidade de São Paulo

Camila Maciel/Agência Brasil Publicado em 29/07/2019, às 11:21 • Atualizado em 29/07/19, às 11:23




Foto: (Tomaz Silva/Agência Brasil)

Pesquisa desenvolvida pela Universidade de São Paulo (USP) e Instituto Emílio Ribas identificou quatro fatores que indicam risco de morte em pacientes com febre amarela.

LEIA MAIS: São Paulo inicia vacinação contra febre amarela

LEIA MAIS: Campanha de vacinação contra a Febre Amarela chega a estações da CPTM em São Paulo

LEIA MAIS: OMS alerta para possível 3ª onda de surto de febre amarela no Brasil

Idade avançada, contagem de neutrófilos elevados (células sanguíneas que fazem parte do sistema imune inato), aumento da enzima hepática AST e maior carga viral são os marcadores que apontam o risco de uma evolução grave da doença. O estudo destaca que, de cada 100 pessoas que são picadas por mosquitos infectados com o vírus da febre amarela, 10% desenvolverão sintomas da doença, e 30% podem morrer.

“O que mais nos deixava perplexos é que a maioria dos pacientes chegava bem, apenas se queixando de mal-estar, dor pelo corpo e febre, e, dias depois, alguns deles morriam. É uma doença de evolução muito rápida. Era um desafio determinar, na entrada do paciente, qual seria aquele que evoluiria muito mal da doença e qual seria aquele que teria uma evolução mais favorável. Foi isso que a gente abordou nesse trabalho”, explicou Esper Georges Kallás, professor do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP.

Outros 19 pesquisadores, apoiados pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), assinam o estudo, publicado na revista científica Lancet.

Kallás aponta que amostras para análises foram coletadas em pacientes durante o surto de febre amarela em São Paulo no ano passado.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, em 2019, até 3 de junho, foram registrados 66 casos autóctones de febre amarela silvestre no estado e 12 deles evoluíram para morte.

Em 2018, foram confirmados 504 casos autóctones em várias regiões do estado, dos quais 176 resultaram em morte. Também houve 261 epizootias (morte ou adoecimento de primatas não humanos).

Entre 11 de janeiro e 10 de maio de 2018, 118 pacientes com suspeita de febre amarela foram internados no Hospital das Clínicas e outros 113 no Emílio Ribas.

Diagnóstico

Após a confirmação do diagnóstico, o estudo se concentrou em 76 pacientes (68 homens e 8 mulheres). Dos 76 pacientes, 27 (36%) morreram durante o período de 60 dias após a internação hospitalar.

Onze pacientes com contagem de neutrófilos igual ou superior a 4.000 células/ml e carga viral igual ou superior a 5.1 log10 cópias/ml (ou seja, aproximadamente 125 mil cópias do vírus por mililitro de sangue) morreram, em comparação com três mortes entre os 27 pacientes com contagens de neutrófilos menor que 4.000 células/ml e cargas virais de menos de 5.1 log10 cópias/ml (menos de 125 mil cópias/ml).

Os pesquisadores puderam constatar também que a coloração amarelada na pele dos doentes, característica conhecida da doença, não é um marcador de severidade no momento da entrada do paciente no hospital.

“A coloração amarelada, consequência da destruição das células do fígado pelo vírus, só aparece em casos em piora avançada. Em nosso estudo, nenhum dos pacientes que veio a óbito chegou no hospital ostentando coloração amarelada”, disse Kallás.

Para identificar três dos marcadores, excluindo a idade, são necessários exames em laboratório. De acordo com o professor, o que mede a quantidade de neutrófilos e o aumento da enzina hepática são exames simples com resultado em, no máximo, uma hora.

“O mais difícil é a carga viral do vírus da febre amarela que é um ensaio experimental. Ele foi desenvolvido para esse estudo, e não é popularizado. Não está disponível em laboratórios de análise clínicas habitualmente”, explicou. Ele avalia que a disponibilidade do exame auxiliaria não só na identificação do marcador, mas no próprio diagnóstico.

Em casos de novos surtos de febre amarela, os resultados encontrados no estudo permitem agora que os médicos façam uma triagem de pacientes nos momentos de entrada nos serviços de saúde, identificando aqueles que potencialmente podem evoluir para casos mais severos. Assim, é possível antecipar internações nas unidades de terapia intensiva, aumentando as chances de sobrevivência.

Massa crítica

“Estamos criando uma massa crítica de informações que vai ajudar o médico na hora que avaliar o paciente, inicialmente quem vai melhor, quem vai pior e otimizar a disponibilização de recursos no hospital. Evidente que auxilia a melhorar a assistência a saúde dessas pessoas”, disse o pesquisador.

Outra consequência da descoberta é a hipótese de que remédios antivirais podem auxiliar no tratamento da febre amarela.

“Pela primeira vez é descrita a associação da quantidade de vírus [carga viral] com doença pior”, disse Kallás.

Segundo o pesquisador, outros projetos já avaliam medicações que poderiam ser usadas neste caso.

“Se chega um paciente com febre amarela bem no começo, será que se a gente der um remédio antiviral não corta a multiplicação do vírus e melhora o prognóstico dessa pessoa? Já que a quantidade de vírus é um fator, isso tem o potencial de mudar a história de sobrevivência na febre amarela se a gente achar um remédio que for eficaz”, finalizou.



A matéria continua após a publicidade
Publicidade

Publicidade
Últimas noticias
Cidades

Prefeito de São Sebastião vence processos de cassação por falta de provas

Definir imagem destacada
Fonte: Divulgação
O prefeito de São Sebastião, Felipe Augusto, venceu três processos que corriam na Justiça, que pediam a …

21 horas atrás
Cidades

São José planta 136 árvores na Avenida dos Astronautas após corte para obras

Cerca de 136 árvores foram plantadas na praça Heróis de Alcântara, na Avenidas dos Astronautas, em São José dos Campos, …

21 horas atrás
Agenda Cultural

Agenda Cultural – 23/08/2019

Nesta edição:

Nesta sexta-feira (23) com show do Mc Jottapê, o Doni, protagonista da série ‘sintonia’, sucesso da Netlix. A noite …

23 horas atrás
Economia

Confiança do Comércio cresce 3,2 pontos em agosto

Foto: Marcelo Camargo
O Índice de Confiança do Comércio, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 3,2 pontos em agosto, passando …

1 dia atrás
Cidades, Economia

Vale gera 830 empregos em julho, aponta Caged

Foto: Claudio Vieira
Após dois meses consecutivos perdendo postos de trabalho, a economia da RMVale reagiu e gerou 830 empregos em …

1 dia atrás
Cidades

Izaias anuncia tarifa de R$ 4,20 a partir de setembro

Foto: Alex Brito/PMJ
A tarifa comum do transporte público passará dos atuais R$ 4,10 para R$ 4,20 em Jacareí. O anúncio, …

1 dia atrás
Cidades

Motociclistas causam 33% das mortes no trânsito no Vale

Foto: Divulgação
De cada 10 mortos em acidentes de trânsito no Vale do Paraíba nos últimos quatro anos e sete meses, …

1 dia atrás
Economia

Venda de produtos da região para Argentina e China cai, diz governo

Foto: Divulgação
Dois dos principais parceiros comerciais do Vale do Paraíba, China e Argentina reduziram a compra de produtos fabricados na …

1 dia atrás
Cidades, Cultura

Festa Literária da Mantiqueira começa hoje em Santo Antônio do Pinhal

Foto: Aline Jeronymo/Instagram
A Festa Literária Internacional da Mantiqueira (FLIMA) começa nesta sexta-feira (23) a sua segunda edição e promete levar …

1 dia atrás
Cidades, Destaque, Justiça

Ministério Público quer paralisar obra do Arco da Inovação

Foto: Cláudio Vieira/PMSJC
O Tribunal de Justiça marcou para o dia 9 de setembro o julgamento do recurso em que o …

1 dia atrás