fbpx
Categoria: Destaque, Política

‘Inpe é a pedra no sapato deles’, diz ex-diretor do Inpe sobre gestão Bolsonaro

Ricardo Galvão concedeu entrevista ao Jornal OVALE

Xandu Alves/ Jornal OVALE Publicado em 10/08/2019, às 12:44 • Atualizado em 10/08/19, às 12:44




'Inpe é a pedra no sapato deles', diz ex-diretor do Inpe sobre gestão Bolsonaro

Foto: Divulgação

Na tranquilidade do lar em São José dos Campos, Ricardo Galvão, 71 anos, admite: “Foram as semanas mais tumultuadas da minha vida. Provação seria mais correto”.

Ele se refere aos dias após o confronto público com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) no qual defendeu o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e a própria honra. Acabou demitido do cargo de diretor do Inpe 13 meses antes de terminar o mandato.

O presidente chamou de “mentirosos” dados do Inpe sobre o desmatamento da Amazônia e sugeriu que Galvão tivesse ligação com ONG estrangeira, com interesse em prejudicar o Brasil.

Nesta entrevista, Galvão fala da repercussão de seu embate, do Inpe e vê posição ‘obscurantista’ no governo.

Que atividade o sr. terá após o Inpe?

Sou professor titular na USP (Universidade de São Paulo) e estava comissionado no Inpe. Vou retornar à USP.

O sr. viveu os dias mais tumultuados da carreira?

Definitivamente, foram as semanas mais tumultuadas da minha vida e da minha família. Provação seria o termo mais correto. Na minha idade, nunca imaginaria que iria ter o embate que tive com o presidente da República, e não pensava que haveria consequências tão amplas.

Já atendeu quantos jornalistas?

Parei de contar quando passou de 20.

De quais países?

México, Estados Unidos, Portugal, Holanda e Inglaterra.

Arrepende-se?

De nada. Sei que tive atitude contundente contra o presidente, mas não foi por emoção. Esperei um dia depois que vi a entrevista dele [Bolsonaro]. Esperei o ministério [da Ciência e Tecnologia] entrar em contato, uma mensagem de apoio ao Inpe. A maneira como ele [Bolsonaro] colocou nos colocava numa posição que não poderia voltar atrás, pois seria uma derrota.

Por quê?

Se ele falasse que havia dúvidas nos dados do Inpe, que deveria melhorar, isso é normal na ciência, estamos acostumados. Mas ao dizer que os dados eram mentirosos era um ataque ao Inpe, e absorvi esse ataque. Quem produziu os dados foram cientistas de altíssimo nível do Inpe e [o presidente] os estava acusando de crime de falsidade ideológica. É acusação grave. Tem havido na comunidade muitas ações de compliance e esses cientistas do Deter não fazem só isso. Eles publicam em revistas internacionais e são editores de publicações. A Thelma Krug é vice-presidente do IPCC [Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas], tem reputação internacional. Apontar crime de falsidade ideológica em público a essas pessoas e me acusar de estar a serviço de ONG foi muito forte. Tinha que marcar a posição e agir com contundência. Estava indignado.

Faltou apoio do Ministério da Ciência?

Me senti desamparado. Procuramos o ministério desde janeiro. Em março tive reunião no ministério e avisei que esse embate com o [Ministério do] Meio Ambiente iria causar sérios danos ao Brasil. Mandei ofício para que se abrissem canais de comunicação entre Inpe, Ibama e os ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura, e que o Inpe estava disposto a mostrar os dados e até a desenvolver ferramentas, mas não tive nenhuma resposta. O presidente me acusa e não há nenhuma manifestação do ministério em 24h. Me senti desamparado. O ministério é que teria de se sentir incomodado de um dos seus institutos de pesquisa estar sendo atacado.

Pressentiu esse embate?

Sentia que haveria embate e tinha preocupação com isso. Em 2008, o Inpe teve embate com o então governador Blairo Maggi quando o Inpe disse que o Mato Grosso era o estado que mais desmatava. Naquela época, só para dizer que a questão não é ideológica, o [ex-presidente] Lula estava meio contra o Inpe, mas tínhamos alguém como a Marina Silva no Ministério do Meio Ambiente. Ela marcou uma reunião com todos os lados e o presidente, sob pressão dela, mandou fazer um sobrevoo nas regiões nas quais o Inpe apontava desmatamento, e ficou provado que o Inpe tinha toda a razão. Porque o atual governo não fez isso dessa vez? Porque desde antes da posse eles viam o Inpe como pedra no sapato, contra os interesses deles.

O confronto era iminente?

Não diria um confronto direto com o Inpe, mas uma intenção clara de tentar esconder dados do desmatamento da Amazônia. Dizer que queria contratar empresa para substituir o Inpe é um absurdo.

E a reação da comunidade?

Fiquei felicíssimo, não esperava reação tão forte de toda a comunidade científica. A Academia Brasileira de Ciência e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência enviaram, antes do entrevero, quando o general [Augusto] Heleno e o [Ricardo] Salles criticaram o Inpe, um ofício ao ministro Marcos Pontes [Ciência e Tecnologia] e ele não respondeu, se omitiu.

O presidente tem permissão para falar o que quiser?

O primeiro telefonema que recebei de solidariedade foi de um brigadeiro da Aeronáutica da ativa, dizendo do constrangimento dele ao ver a entrevista do presidente fazendo aquela acusação infame ao Inpe. No próprio ambiente que o presidente circula há pessoas de altíssimo nível, como generais, que devem estar incomodados. Não sei quantos enfrentam o presidente. Os militares têm firme essa questão de hierarquia e não contestam. Mas, no Inpe, somos comunidade científica e não há nenhuma autoridade acima da dignidade do conhecimento científico.

(*) Nesse momento da entrevista, Galvão conta que recebeu um telefonema de apoio de Marina Silva. “Ela me telefonou e conversamos por mais de 50 minutos”.

O episódio fortaleceu a defesa da ciência no país?

Sem dúvida. Essa reação aconteceu e é uma verdade muito clara. Já havia insatisfação grande com a maneira de o governo tratar a ciência, principalmente escutando alguém como o anticientista Olavo de Carvalho, que não deveria dar conselho a nenhum governo sério. Minha resposta contundente abriu uma fronteira forte e desencadeou essa reação. Recebi mensagens até do exterior, congratulando na defesa da ciência e da veracidade.

O que espera da área científica nesse governo?

Sou republicano. Temos presidente eleito e espero que todo esse embate faça com que ele mude o posicionamento. Primeiro quanto às mudanças climáticas, mais a preservação da Amazônia e as ciências. Há muitas besteiras. Ele tem que mudar esse relacionamento, e espero que o faça para que propostas boas do governo vinguem, senão não vai resistir à reação da sociedade.

As mudanças que o governo quer fazer nos dados do Deter fazem sentido?

O que tem sido feito é dar desculpa para não tomar ação que deveria na fiscalização da Amazônia. Não podemos esquecer que o Deter foi utilizado pela Marina Silva para reduzir a taxa de desmatamento entre 2004 a 2012, que foi enorme e deu um grande prestígio ao país, ajudou a vendar mais agroprodutos com selo verde. Isso ocorreu porque Ibama e Meio Ambiente fizeram a fiscalização. Não fazê-la é economicamente muito prejudicial ao país.

Espera que teorias como a da “terra plana” surjam no governo?

Acho que não vai. Embora o presidente e seus filhos tenham posicionamento obscurantista e anticientífico, que não é só no país, mas está espalhado pelo mundo, há no governo pessoas como o [Marcos] Pontes, o ministro da defesa [Fernando Azevedo e Silva], que são de alto nível e nunca iriam apoiar se o governo fosse nessa direção.

BIOGRAFIA

Ricardo Galvão tem 77 anos e graduou-se em Engenharia de Telecomunicações pela Universidade Federal Fluminense, em 1969. Obteve mestrado em Engenharia Elétrica pela Universidade Estadual de Campinas, em 1972, e doutorado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts, em 1976.

Foi diretor do CBPF (Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas), entre 2004 e 2011, e presidente da SBF (Sociedade Brasileira de Física), entre 2013 e 2016.

Professor titular na USP (Universidade de São Paulo), Galvão é pesquisador do Laboratório de Física de Plasmas da USP, onde realiza pesquisas na área de fusão nuclear.

Atuou como professor da Unicamp, entre 1971 e 1982, e na USP desde 1983, onde atualmente é professor titular. Paralelamente, atuou também como pesquisador pelo Centro Técnico Aeroespacial, de 1982 a 1986.

Em setembro de 2016, ele assumiu a direção do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), sendo demitido em julho de 2019 após embate com o presidente Jair Bolsonaro.



A matéria continua após a publicidade
Publicidade

Publicidade
Últimas noticias
Cidades

Prefeito de São Sebastião vence processos de cassação por falta de provas

Definir imagem destacada
Fonte: Divulgação
O prefeito de São Sebastião, Felipe Augusto, venceu três processos que corriam na Justiça, que pediam a …

22 horas atrás
Cidades

São José planta 136 árvores na Avenida dos Astronautas após corte para obras

Cerca de 136 árvores foram plantadas na praça Heróis de Alcântara, na Avenidas dos Astronautas, em São José dos Campos, …

22 horas atrás
Agenda Cultural

Agenda Cultural – 23/08/2019

Nesta edição:

Nesta sexta-feira (23) com show do Mc Jottapê, o Doni, protagonista da série ‘sintonia’, sucesso da Netlix. A noite …

24 horas atrás
Economia

Confiança do Comércio cresce 3,2 pontos em agosto

Foto: Marcelo Camargo
O Índice de Confiança do Comércio, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 3,2 pontos em agosto, passando …

1 dia atrás
Cidades, Economia

Vale gera 830 empregos em julho, aponta Caged

Foto: Claudio Vieira
Após dois meses consecutivos perdendo postos de trabalho, a economia da RMVale reagiu e gerou 830 empregos em …

1 dia atrás
Cidades

Izaias anuncia tarifa de R$ 4,20 a partir de setembro

Foto: Alex Brito/PMJ
A tarifa comum do transporte público passará dos atuais R$ 4,10 para R$ 4,20 em Jacareí. O anúncio, …

1 dia atrás
Cidades

Motociclistas causam 33% das mortes no trânsito no Vale

Foto: Divulgação
De cada 10 mortos em acidentes de trânsito no Vale do Paraíba nos últimos quatro anos e sete meses, …

1 dia atrás
Economia

Venda de produtos da região para Argentina e China cai, diz governo

Foto: Divulgação
Dois dos principais parceiros comerciais do Vale do Paraíba, China e Argentina reduziram a compra de produtos fabricados na …

1 dia atrás
Cidades, Cultura

Festa Literária da Mantiqueira começa hoje em Santo Antônio do Pinhal

Foto: Aline Jeronymo/Instagram
A Festa Literária Internacional da Mantiqueira (FLIMA) começa nesta sexta-feira (23) a sua segunda edição e promete levar …

1 dia atrás
Cidades, Destaque, Justiça

Ministério Público quer paralisar obra do Arco da Inovação

Foto: Cláudio Vieira/PMSJC
O Tribunal de Justiça marcou para o dia 9 de setembro o julgamento do recurso em que o …

1 dia atrás