Categoria: Cidades, Meio Ambiente

Desmatamento em áreas de Mata Atlântica cresceu 27,2% em 2019

Os dados fazem parte do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, uma parceria do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) com a Fundação SOS Mata Atlântica, lançado nesta quarta-feira

OVale Publicado em 27/05/2020, às 11:22 • Atualizado em 27/05/20, às 11:22




Foto: Divulgação

O desmatamento em áreas de Mata Atlântica aumentou 27,2% nos anos de 2018 e 2019, em comparação com o biênio anterior (2017/2018), o que resultou no desaparecimento de 14.502 hectares (ha) de floresta – ou 145,02 quilômetros quadrados, equivalente a 14 mil campos de futebol. É a maior extensão desmatada desde 2016. O levantamento foi feito em 17 estados, mas apenas cinco deles – Minas Gerais, Bahia, Paraná, Piauí e Santa Catarina – foram responsáveis por 93% da área desmatada, num total de 13.539 hectares.

Minas Gerais teve a maior extensão de floresta derrubada, de 4.972 hectares, atribuída ao uso por carvoarias que abastecem fornos industriais. Na Bahia e no Piauí, com, respectivamente, supressão de 3.532 ha e 1.558 ha, tem ocorrido desmatamento para dar lugar a novas fronteiras agrícolas. No Paraná (2.767 ha) e Santa Catarina (710 ha) há o desmatamento de matas de araucária.

Os dados fazem parte do Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, uma parceria do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) com a Fundação SOS Mata Atlântica,  lançado nesta quarta-feira.

Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica, chama atenção para o Paraná, onde o desmatamento aumentou 35%. Os ruralistas do estado, segundo ele, sempre se opuseram à lei da Mata Atlântica por defenderem a derrubada de araucárias, usada para abastecer de tábuas o setor de construção.

Segundo ele, a postura do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, de afrouxar a fiscalização ambiental serviu como incentivo para o desmatamento no Paraná. Em reunião com o presidente Jair Bolsonaro, em 22 de abril, o ministro sugeriu aproveitar a pandemia de Covid-19 para afrouxar regras.

 No início deste mês, a Fundação SOS Mata Atlântica e o Ministério Público Federal foram à Justiça pedir a anulação do despacho 4.410/2020, emitido em 6 de abril pelo Ministério do Meio Ambiente. O despacho anistiou desmatamentos e incêndios, permitindo cancelamento de multas, e desconsidera a lei da Mata Atlântica, sugerindo a aplicação de regras mais brandas do Código Florestal.

O despacho teve como base um parecer da Advocacia Geral da União. Em reunião ministerial tornada pública pelo Supremo Tribunal Federal, Salles apareceu defendendo simplificação de regras enquanto o país enfrenta a pandemia de Covid-19, que desvia a atenção da imprensa de atos normativos do governo federal.

“A pressão contra a Lei da Mata Atlântica no Paraná é antiga. São grandes proprietários que falam em nome de pequenos e não conseguem fazer a associação entre a destruição das matas e a seca que o estado atravessa, considerada a maior nos últimos 100 anos”, diz Mantovani.

Embora o desmatamento em Santa Catarina tenha sido grande, no estado foi registrada queda de 22% na comparação com o biênio anterior, o que é atribuído por Mantovani à exigência estadual de um plano de gestão ambiental.

O ambientalista lembra que o aumento do desmatamento da Mata Atlântica mostra que a destruição do meio ambiente não está restrita à Amazônia. O Brasil tem hoje apenas 12,4% do que havia do bioma original, o que mais perdeu floresta até hoje.

Outros quatro estados tiveram supressão de floresta em áreas menores, mas registraram crescimento de desmatamento superior a 100%. Os maiores aumentos foram observados no Ceará (259%), Mato Grosso do Sul (173%), Paraíba (157%) e Rio de Janeiro (148%).

No Rio de Janeiro, por exemplo, foram desmatados 44 hectares, mas a supressão representa quase 20% do que há de Mata Atlântica no estado. Com a pandemia do coronavírus, não houve visitas para avaliar a situação destes locais.

Desmatamento ilegal

Um estudo do Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) mostrou que 4.129.832 hectares de cobertura vegetal nativa no bioma Mata Atlântica foram suprimidos em Áreas de Preservação Permanente, onde não deveria ocorrer desmatamento. Nada menos do que 81% destas áreas estão em propriedades de grande e médio portes. Apenas no Ibama foram lavrados 1.476 autos de infração ambiental no bioma, que podem não ser cobrados se o despacho de Salles for mantido.

A continuidade do desmatamento da Mata Atlântica deverá ser discutida no Fórum Popular Natureza, que vai reunir virtualmente, no início de junho, movimentos populares para discutir a Covid-19 como parte da crise ambiental, as perspectivas econômicas e de reconstrução depois da pandemia.

Apesar de restar pouco mais de 10% da mata original, a Mata Atlântica abriga biodiversidade importante – cerca de 20 mil espécies de plantas, equivalente a um terço das existentes no Brasil; 849 espécies de aves e 270 de mamíferos, por exemplo. Entre os mamíferos, 38 estão ameaçados de extinção.

O bioma é responsável por garantir a água potável nos mananciais, estabilidade do solo, controle térmico, de chuvas e de desertificação. Nas cidades, reduz o desconforto com o calor, permite a melhoria na qualidade do ar e ajuda a diminuir a velocidade dos ventos.



A matéria continua após a publicidade
Publicidade

Deixe seu comentário:
Os comentários não representam a opinião da SP Rio +. A responsabilidade é do autor da mensagem.
Últimas noticias
Esporte, Saúde

Usar máscara em academias não prejudica saúde, dizem especialistas

Academia – Foto: José Cruz/ Agência Brasil
Embora o uso de máscaras seja obrigatório, e elas funcionem como uma barreira à …

17 minutos atrás
Esporte

Federação Paulista marca conselho técnico para decidir sobre retorno da Série A-2

Partida da Série A-2 entre Taubaté e XV de Piracicaba – Foto: Bruno Castilho/ EC Taubaté
O presidente da FPF (Federação …

3 horas atrás
Esporte, Mais Destaques

Doria confirma volta do Paulistão no dia 22 de julho

Foto: Divulgação/FPF
O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), atendeu ao pedido Federação Paulista de Futebol e aprovou nesta quarta-feira …

5 horas atrás
Esporte

Espanhol Fernando Alonso está de volta à Fórmula-1 em 2021

Foto: Luca Bruno/REUTERS
O piloto Fernando Alonso, bicampeão mundial de Fórmula 1 (F1), anunciou nesta quarta-feira (8) que assinou contrato com a Renault …

6 horas atrás
Cidades, Polícia

Pescadores são autuados com 135 quilos de peixes sem comprovação de origem em Ilhabela

Foto: Divulgação/Polícia Militar Ambiental Marítima
Dois pescadores foram autuados após serem flagrados vendendo peixes sem a comprovação de origem nesta terça-feira …

6 horas atrás
Cidades

Fundhas não renova contrato de 23 professores temporários em São José

Unidade da Fundhas no bairro Dom Pedro I – Foto: Divulgação/PMSJC
Ao menos 23 professores temporários que atuavam na Fundhas (Fundação …

7 horas atrás
Cidades, Mais Destaques

Prefeitura de São José afirma não ter condições atender a decisão judicial sobre regras de transparência

Página sobre despesas com a Covid-19 no site da Prefeitura – Foto: Reprodução
A Prefeitura de São José dos Campos alegou …

7 horas atrás
Esporte

FPF pede ao governo estadual a retomada do Campeonato Paulista em 22 de julho

Foto: Divulgação/FPF
A Federação Paulista de Futebol solicitou ao governo do estado de São Paulo nesta terça-feira (7), a retomada do …

7 horas atrás
Economia, Mais Destaques

Empresários de bares e restaurantes pedem ajuda para ‘sobreviver’ em São José dos Campos

Foto: Divulgação
Empresários do setor de bares, restaurantes e similares de São José dos Campos pedem a ajuda da prefeitura para …

9 horas atrás
Destaque, Economia

Nascidos em março podem sacar auxílio emergencial do 3º lote

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Cerca de 400 mil beneficiários do auxílio emergencial, contemplados no terceiro lote do benefício, podem sacar hoje (8) os …

9 horas atrás